Tempo não é algo sobrando nessa área, que combina Gente e Gestão

A área de Recursos Humanos não é apenas recrutamento e seleção ou administração de pessoal. Esta é sim parte importante do trabalho, mas um olhar mais atento percebe que o grande valor que a área agrega é cuidar dos recursos mais importantes da organização: as pessoas.

É interessante a nossa tendência de simplificar, uma metonímia organizacional. Marketing cuida de comunicação. Finanças da contabilidade. E RH? Cuida do recrutamento de pessoas. Mas e depois que elas já estão na organização?

Durante essa pandemia, como consultora que lida com muitas empresas e vários profissionais da área, tive a oportunidade de observar muito do trabalho “dos bastidores”. E, neste dia do profissional de recursos humanos, quis homenageá-los, trazendo-os para a frente dos holofotes.

Tempo não é algo sobrando nessa área, que combina Gente e Gestão. Todos os processos para viabilizar a continuidade da operação e para cuidar dos funcionários passam por lá. Da migração do escritório para o home office, integrando a área de TI para viabilizar os equipamentos, sistemas e outros recursos à renegociação com os planos de saúde para incluir telemedicina e cobertura para testagem e vacinação, passando pelos planos de contingência para pessoas que adoeceram, ou perderam entes queridos, ou para substituir em plena pandemia a perda de funcionários, seja por necessidades financeiras da empresa, seja pelo falecimento de funcionários.

Durante a pandemia, o grau de engajamento dessas equipes teve que garantir muito mais do que a realização dos processos. Foram responsáveis pela elaboração de cenários de corte de pessoal, cenários da volta total e parcial, administração de caso a caso de chefes inseguros e funcionários sem nenhuma estrutura em casa para cuidar de crianças.  São muitas histórias de superação, fazendo chegar equipamentos de segurança a locais distantes, protegendo as pessoas e cuidando de suas famílias para que os serviços essenciais não parassem e, principalmente, cuidando com carinho para que todos se sentissem integrados e parte de um todo, ainda que distantes do dia a dia organizacional. Até a promoção de shows on line e lives educativas foram viabilizadas.

E tudo isso, mantendo um pequeno segredo. Eles também têm famílias, insegurança, medo. Também podem ser contaminados e muitos tiveram que se afastar dos filhos para poder dar conta de uma rotina sem tempo disponível. São a linha de frente das organizações. E mais do que nunca merecem nosso aplauso e nosso reconhecimento. E, particularmente, a minha esperança de que serão ainda mais valorizados e poderão realizar todo o seu potencial de agregar valor às organizações.

E como será após a pandemia? Um estudo da FGV aponta que o home office deve crescer 30% após a crise. E essa única mudança implicará em uma revisão de processos, uma nova construção de rotina, novos processos de comunicação e um novo pensamento sobre o espaço e, principalmente, sobre as formas de gestão.

Essa mudança será uma grande oportunidade para se rever o papel do RH, como o responsável pela jornada da experiência do funcionário na organização. Segundo o Instituto Gallup, essa experiência é “a soma de todas as interações que o empregado tem com empregador, desde as fases pré-recrutamento, até após a sua saída”, e que afeta a reputação da empresa no mercado e vários stakeholders.

Como todo o momento de grave crise, é hora de se repensar, rever. E a área de RH deve assumir seu papel de protagonista dessa discussão.

Por Ana Paula Alfredo – Fundadora da Agrégat Consultoria – Especialista em Liderança e Desenvolvimento de Pessoas.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.