Ficar numa mesma empresa durante anos nem sempre é sinal de acomodação. Da mesma forma que pular de empresa em empresa nem sempre traz crescimento e demonstra mobilidade.

Há vantagens e desvantagens nos dois casos e sempre como tudo começa nas nossas conversas, irá depender dos seus objetivos, do que você quer para a sua carreira e do papel que o trabalho tem para você.

Se seu objetivo, como no título do vídeo, é crescer, construir carreira, aí vão alguns prós e contras de ficar na mesma empresa ou buscar novos desafios.

Em geral, para crescer, é necessário confiança e continuidade para consistência de resultados. Isso significa que numa mesma empresa seria mais fácil, principalmente se a empresa oferecer mobilidade. Dando continuidade ao trabalho, você se torna mais conhecido, consegue provar com números os resultados do seu trabalho e isso constrói consistência e confiança, pontos importantes na hora de se oferecer algum desafio novo.

Também é mais fácil você mudar de área, por exemplo. Conhecendo o funcionário, normalmente a empresa pode decidir mais facilmente em apostar nele para um novo projeto e um novo desafio. O que é bem mais difícil ao se chegar em uma empresa nova, tentando buscar uma área na qual você nunca trabalhou.

O importante é que você continue aprendendo e se desenvolvendo. O maior risco de continuar na mesma empresa e que gera dúvidas nos entrevistadores é se a pessoa for acomodada. Ficar anos e anos na mesma função, sem projetos novos, sem realizações.

As vantagens são muitas:

A) Você já está acostumado à forma de trabalhar da empresa, está adaptado, conhece as pessoas.

B) A segurança de ser conhecido, de saberem o valor do seu trabalho.

C) Possibilidades de aprofundar o seu conhecimento em determinado segmento de negócios, podendo até se tornar um especialista, em produtos de consumo, educação, serviços, etc.

D) Ser mais visível, ser conhecido e ter maiores possibilidades de ascensão e mobilidade.

Mas nem todas as empresas oferecem possibilidades de mobilidade. E aí, nesses casos, é mais fácil buscar oportunidades fora. Importante lembrar, apesar de fora do tema, que um dado cruel, mas que que vivi, é que definitivamente fica mais fácil procurar emprego quando se está empregado. Você fica mais atraente para o mercado e suas condições de negociação aumentam.

Se você tem algum conhecimento específico ou experiência numa indústria rara isso ainda é maior. Apesar de ter um raio de busca menor, em função da especialização, em geral esses são os casos procurados.

Me lembro da apresentação de uma construtora. Procuramos um engenheiro com experiência na construção de represas. Quantos será que existem no Brasil. Não muitos, garanto. Mas cargos como esses são exceções. A maioria de nós têm que cavar as oportunidades.

O momento de entrada é o momento de negociar. Os maiores saltos de salário vem daí. Treinamentos, etc… Tudo isso consegui nas mudanças de empresas. E você tem que ter a sensibilidade para entender até onde pode ir.

Não se esqueça do custo de mudança. Você sai de uma empresa onde é conhecido, admirado e vai para a outra onde ninguém sabe nem o seu nome. Você será testado. Haverá pessoas que queriam aquela posição. E uma dica: Chegue devagar. Ouça, observe, e aos poucos vá se colocando.

Outro ponto a se observar é que sempre achamos que a grama do vizinho é mais verde. E isso não é verdade. Mesmo as melhores empresas para se trabalhar tem problemas, inconsistências, e outros mais. Não idealize.

Ficar ou sair não importa. O importante é você observar as suas oportunidades e enxergar onde você conseguirá realizar melhor seu potencial.

Quer conhecer mais sobre como a Agrégat pode ajudar você ou a sua equipe a desenvolver liderança e trabalho em equipe? Clique aqui.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.